SERGIPE

21/06/2022 as 15:09

Moda comunitária é desenvolvida por estilista em Sergipe

Naná Oliveira busca ir contra a corrente da 2ª maior indústria poluente do mundo


Reprodução<?php echo $paginatitulo ?>

Nesta terça, 21, a estilista e costureira Naná Oliveira explicou um pouco do trabalho que vem desenvolvendo na área de moda comunitária em Sergipe. Neta de costureira e há anos criando para sua marca de roupas autoral, Naná busca cada vez mais ressignificar a moda e transformá-la em uma ferramenta para o bem de comunidades.

Pensar em moda pode trazer a ideia de passarelas e glamour, mas talvez isso fique de lado ao se levar em conta de que a indústria da moda é a 2ª maior poluente do planeta. Naná, apesar de ser da área, acredita que a moda é uma indústria exploratória.

Alinhando suas habilidades na costura e experiência no ramo da moda aos seus valores, Naná, hoje, pensa e faz moda comunitária. “A moda comunitária foi a forma que eu encontrei de classificar o trabalho que desenvolvo, que nada mais é do que um aprendizado e repetição dos modos de vida de cada comunidade, seja ela tradicional, periférica urbana ou interiorana. É a comunicação visual e o direito ao trabalho dentro das comunidades”, explica.

Atualmente, seu trabalho envolve 30 comunidades no interior de Sergipe, que em pandemia, por exemplo, receberam tecidos para a produção de máscaras, capacitando, protegendo e gerando renda para essas mulheres. “Em breve, em conjunto com o Ministério Público do Trabalho e com o escritório da ONU, estaremos distribuindo máquinas de costura para as mulheres dessa comunidade”, explica a ativista e costureira, Naná.

 

Mariana Gotta


Colunistas


Tópicos Recentes