POLÍTICA

14/09/2021 as 12:16

“Orla Sul é uma obra que já nasceu velha”, critica vereador Sargento Byron

<?php echo $paginatitulo ?>

O vereador de Aracaju, Sargento Byron (Republicanos), usou o Pequeno Expediente da Sessão Ordinária da Câmara de Aracaju (CMA), desta terça-feira, 14,  para criticar os problemas relacionados à acessibilidade do primeiro trecho da Orla Sul, cartão postal inaugurado, neste ano, pelo Governo de Sergipe, em Aracaju. Para o parlamentar, a inauguração de uma obra como essa - com problemas de acessibilidade e descumprimento das leis de inclusão social - mostra as faltas de sensibilidade e compromisso com a pessoa com deficiência.

A Orla Sul foi construída com o objetivo de se tornar um dos principais cartões postais da capital sergipana. Desde a entrega, Byron vem sinalizando os problemas e cobrando que sejam feitos os reparos necessários que vão garantir segurança a essa parcela da população.

“É inaceitável que, em pleno século 21, obras como essas sejam entregues à população. A Orla Sul já nasceu velha, sem acessibilidade e com vários problemas estruturantes. Fui atrás de informações para saber quem é o responsável. A obra foi entregue pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade (Sedurbs), e por isso suplico ao governador Belivaldo Chagas para que sejam feitos os ajustes daquela grande obra. Não podemos aceitar que espaços públicos funcionem sem que ocorra a inclusão de todos os cidadãos. É lamentável e vergonhoso”, opinou o parlamentar.

Byron destacou que outros agentes públicos que atuam em defesa dos direitos das pessoas com deficiência também já fiscalizaram e fizeram reinvidicações. “Precisamos nos colocar no lugar dessas pessoas, ouvir o que elas estão falando. É necessário sensibilidade, algo que sinto falta no poder público. Que as demandas feitas aqui e pelos agentes públicos sejam ouvidas e atendidas”, finalizou.

Vagas para PCD no concurso da Câmara

O vereador prestigiou a divulgação da data de realização do concurso público da Câmara de Aracaju. As primeiras provas ocorrerão no dia 5 de dezembro. O concurso disponibilizará três vagas para pessoas com deficiência (duas ensino médio e técnico e uma nível superior), além duas vagas para intérprete e tradutor de libras.

Para Byron, além de cumprir o que determina as leis brasileiras de inclusão, a inclusão de vagas para pessoas com deficiência e técnicos na língua de sinais mostra a preocupação da gestão em incluir e garantir direitos a essa parcela da população. “O primeiro passo da gestão do presidente Nitinho que demonstra a preocupação com a inclusão social das pessoas com deficiência foi exatamente a obra estruturante que vem sendo feita no prédio parlamentar. Agora, a Casa será mais inclusiva e acessível para todos os cidadãos. Parabéns ao presidente pelo concurso público e, principalmente, por garantir que todos os cidadãos sejam contemplados com as vagas”, parabenizou.

 

Por Pábulo Henrique, assessor de imprensa




Tópicos Recentes