POLÍTICA

22/07/2021 as 13:03

"Eu sou do Centrão" diz Bolsonaro, que durante campanha de 18 atacava o grupo

Durante a sua campanha de eleição em 2018, Bolsonaro e seus aliados condenavam as praticas do grupo, agora Ciro Nogueira deve ser o 4º ministros ligado ao Centrão

<?php echo $paginatitulo ?>

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que pode se filiar novamente ao PP para as eleições de 2022, defendeu o Centrão, conjunto de partidos sem coloração ideológica próximo ao Palácio do Planalto. O mandatário tem se reaproximado da sigla nesta última semana ao confirmar a nomeação do senador Ciro Nogueira (PP-PI) para a Casa Civil, numa estratégia que pode ajudar a barrar o impeachment.

— O Centrão é um nome pejorativo. Eu sou do Centrão. Eu fui do PP metade do meu tempo. Fui do PTB, fui do então PFL. No passado, integrei siglas que foram extintas, como PRB, PPB. O PP, lá atrás, foi extinto. Depois, nasceu novamente da fusão do PDS com o PPB, se não me engano — afirmou.

Para Bolsonaro, o termo se tornou pejorativo quando foi relacionado ao PSDB:

— Agora, nós temos 513 parlamentares. O tal Centrão são alguns partidos que lá trás se uniram na campanha do (ex-governador de São Paulo Geraldo) Alckmin e ficou, então, rotulado Centrão como algo pejorativo, algo danoso à nação. Não tem nada a ver. Eu nasci de lá — continuou, em entrevista à Rádio Banda B.

O governo federal tem se alinhado ao Centrão numa tentativa de garantir governabilidade em meio às crises sanitária, política e econômica, que levantam as possibilidades de impeachment do presidente há um ano e três meses das eleições de 2022. A CPI da Covid também tem abalado o Poder Executivo diante da apuração da gestão do governo na pandemia e das denúncias de corrupção e irregularidades envolvendo militares do alto escalão do Ministério da Saúde.

O posicionamento é diferente do adotado durante das eleições de 2018. À época, o atual ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, cantou: . Atualmente, ministros como Flávia Arruda (Secretaria de Governo), Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e João Roma (Cidadania) também são ligados ao Centrão.

 

O Globo




Tópicos Recentes