27/05/2020 as 04:33

Globo repudia campanha de intimidação a William Bonner

O jornalista vem sendo alvo de ataques desde que fraudadores usaram o CPF do filho dele para receberam o auxílio Emergencial.

Política Online

Política
Por Ewerton Júnior
<?php echo $paginatitulo ?>

A Rede Globo publicou nota de repúdio a uma campanha de intimidação promovida contra o apresentador do Jornal Nacional, William Bonner. O jornalista vem sendo alvo de ataques desde que fraudadores usaram o CPF do filho dele para adicioná-lo ao programa de ajuda emergencial do governo. De acordo com a emissora, tanto Bonner quando a filha dele receberam por WhatsApp mensagens vindas de um número de Brasília, com uma lista de endereços relacionados a ele e os números de CPFs dele, de sua mulher, seus filhos, pai, mãe e irmãos.

"A Globo o apoiará para que os autores dessa divulgação de seus dados fiscais, protegidos pela Constituição, sejam encontrados e punidos. William Bonner é um dos mais respeitados jornalistas brasileiros e nenhuma campanha de intimidação o impedirá de continuar a fazer o seu trabalho correto e isento. Ele conta com o apoio integral da Globo e de seus colegas e está amparado pela Constituição e leis desse país", diz a nota da emissora. O apresentador do Jornal Nacional se disse "reconfortado" pelo apoio da empresa e dos colegas e que vai acionar os meios legais para encontrar os culpados. "O apoio da Globo e dos colegas são reconfortantes. O episódio de ontem foi uma clara intimidação. Quem quer fraudar não avisa, não manda mensagem como ameaça. Como a única coisa que faço na vida é ser jornalista, fica claro o propósito de intimidar. Não vão conseguir. Com o apoio da Globo e dos colegas, pelos meios legais, vamos encontrar os culpados para que sejam punidos". (com informações do Estadão)

COVID-19

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta terça-feira, 26, o boletim epidemiológico do novo coronavírus, com 288 novos casos registrados e mais 13 mortes (oito homens e cinco mulheres). Sergipe passa a ter 5.735 pessoas infectadas e 116 óbitos.  São três óbitos de homens de Aracaju: 34 anos com diabetes mellitus; 30 anos de idade, que tinha diabetes e asma; e 35 anos com histórico de imunodepressão. Também foram registrados um homem de 52 anos de Nossa Senhora do Socorro, que tinha diabetes mellitus e neoplasia; dois de São Cristóvão, com 72 anos que tinha hipertensão arterial sistêmica e 64 anos com hipertensão e diabetes; 60 anos de Estância sem comorbidades; e 59 anos de Riachão do Dantas. Três óbitos de mulheres são de Aracaju: uma 76 anos, com cardiopatia; 71 anos com hipertensão; 23 anos com síndrome de down e doença hematológica. Outra de 68 anos de Aquidabã, com doença renal crônica e doença cardiovascular; e 37 anos de São Cristóvão, sem comorbidades. Estão em investigação mais 14 óbitos. São 2.222 pessoas curadas até o momento. Foram realizados 16.458 exames e 10.723 foram negativados. Estão internados 292 pacientes, sendo 130 em leitos de UTI (63 na rede privada e 67 na rede pública) e 162 em leitos clínicos (67 na rede privada e 95 na rede pública). 

APROVADO

O Senado aprovou nesta terça-feira (26), por unanimidade, o PL 2.324/2020, que autoriza o uso de leitos não ocupados de UTI em hospitais privados para pacientes do SUS com Síndrome Aguda Respiratória Grave (SRAG) e suspeita ou diagnóstico de Covid-19. O uso será indenizado pelo setor público. O projeto segue para a Câmara dos Deputados. O texto, do senador e médico Rogério Carvalho (PT-SE), faz parte da lista de proposições prioritárias para enfrentar a pandemia provocada pelo novo coronavírus. De acordo com o senador, cerca de ¾ da população brasileira dependem exclusivamente do Sistema Único de Saúde (SUS), que tem menos da metade dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do país. Para ele, é preciso agir diante da sobrecarga provocada pela pandemia. O projeto altera a lei que regulamentou as medidas sanitárias em razão da emergência de saúde pública provocada pelo novo coronavírus. A intenção é possibilitar o uso de leitos privados para a internação de pacientes da rede pública. Pelo projeto, todos os hospitais, tanto públicos quanto privados, ficam obrigados a informar diariamente o total de leitos disponíveis e ocupados na enfermaria, nos apartamentos e na UTI.

ELEIÇÕES 2020

O vice-procurador-geral Eleitoral, Renato Brill de Góes, enviou manifestação ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em que defende o não adiamento das eleições municipais de outubro por causa da pandemia do novo coronavírus. Em parecer de 121 páginas, Brill de Góes cita estudos de universidades de Singapura, EUA e Brasil que preveem uma estabilização da pandemia de covid-19 entre o fim de julho e o início de agosto, ainda antes do início da campanha eleitoral. “Diante de tal contexto, entende-se que a curva preditiva de tais estudos permite sejam mantidas as datas estabelecidas no art. 29, II, da Constituição Federal para a realização das eleições, afastando-se a hipótese de seu adiamento”, escreveu ele. Qualquer alteração no calendário eleitoral deve ser feita em última hipótese, defendeu o vice-PGE. Caso seja de fato inevitável, o preferível é que o adiamento se dê por no máximo 30 dias, de modo a permitir a diplomação dos eleitos ainda em 2020, argumentou.

PRORROGAÇÃO

O vice-PGE escreveu ser inviável “defender a prorrogação de mandatos, seja por qual tempo for, ainda que diante de uma situação extrema com a pandemia que ora se apresenta”. Brill de Góes mencionou ainda que, em nome dos princípios democráticos, diversas eleições foram realizadas em momentos extremos ao longo da história. Entre outros exemplos, ele citou pleitos ocorridos nos Estados Unidos e no Brasil no contexto da pandemia de gripe espanhola, entre os anos 1918 e 1920. A manifestação completa pode ser lida aqui. Para que haja qualquer mudança no calendário eleitoral, é preciso a aprovação de uma proposta e emende constitucional (PEC) no Congresso. O novo presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, tem pregado o diálogo constante com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para encontrar a solução que melhor preserve a saúde dos eleitores.

INDICAÇÃO

Através da Indicação 125/2020, já aprovada pela Assembleia Legislativa, a deputada estadual Maria Mendonça (PSDB) sugere que o Governo do Estado envide esforços e envie ao Parlamento, um Projeto de Lei determinando a disponibilização gratuita, pelas operadoras de telefonia e internet móvel, dos acessos a sites de comunicação, redes sociais e fluxo de dados ou conteúdos multimídia (streaming). Essa ação, explicou Maria Mendonça, deve ser garantida sem qualquer contabilização do pacote de dados dos clientes. No mesmo Projeto deve constar o impedimento para que essas empresas suspendam os serviços de telefonia e internet por inadimplência, durante o período de aplicação das medidas referentes à contenção do coronavírus. “A situação que está posta tem feito com que muitos enfrentem dificuldades para pagar, até, as suas contas ordinárias, como água, energia e gás”, afirmou.

DIÁLOGO

Em discurso na abertura de sessão extraordinária deliberativa virtual, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), salientou que o grande desafio do momento “é derrotar o coronavírus, vencer a gravíssima crise social e econômica que está à nossa frente, preservando a nossa democracia.” O discurso, “em nome do Parlamento brasileiro”, fez aceno para o governo federal e também para o Poder Judiciário. “Dialogar é da natureza do parlamento. Por isso, vejo com naturalidade o esforço do governo federal para ampliar sua base política. Ao invés de ser criticado, esse esforço deve ser respeitado. O sistema democrático exige a convivência republicana entre Executivo e Legislativo.” Maia ainda lembrou que se reuniu com o presidente da República, Jair Bolsonaro, há duas semanas e foi recebido “com elegância e cordialidade, como mandam os ritos”, e também tem bom relacionamento com os ministros. “Mantenho diálogos institucionais permanentes com o Executivo federal. Nos momentos mais tensos das relações entre os poderes, mesmo criticado, sempre coloquei acima de tudo o interesse nacional. Nunca desisti de construir pontes e de destruir muros.”

 

 




Tópicos Recentes