23/04/2021 as 05:22

Butanvac é mandrake, dispara Bolsonaro

Bolsonaro atacou o instituto ao convidar o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, para falar sobre uma vacina totalmente produzida no País

Política Online

Política
Por Ewerton Júnior
<?php echo $paginatitulo ?>

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chamou a nova vacina contra covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan de "mandrake". A entidade, que é ligada ao governo de São Paulo e já desenvolveu a Coronavac em parceria com o laboratório chinês Sinovac, trabalha agora para criar um imunizante brasileiro, a Butanvac. Bolsonaro atacou o instituto ao convidar o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, para falar sobre uma vacina totalmente produzida no País por pesquisadores de Ribeirão Preto. "Essa é 100% brasileira, não é? Essa não é aquela 'mandrake' de São Paulo não, né? Essa é 100% brasileira. Como ela está? Qual o nome dela?", provocou o presidente, nesta quinta-feira, 22, durante transmissão ao vivo para as redes sociais. Os estudos estão sendo feitos na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo de Ribeirão Preto, em parceria com as empresas Farmacore Biotecnologia e PDS Biotechnology Corporation. Segundo Marcos Pontes, a previsão é disponibilizar a nova vacina até o fim do ano. O anúncio da solicitação de testes de fases 1 e 2 desse imunizante à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) foi feito em março. Na ocasião, Pontes divulgou a iniciativa horas depois de o Butantan anunciar que estuda uma vacina totalmente nacional, a Butanvac.

O instituto também é responsável pelo desenvolvimento da Coronavac, em parceria com a fabricante Sinovac, da China. Essa vacina é o principal imunizante à disposição dos brasileiros, hoje, representando mais de 80% das doses já aplicadas, segundo dados do próprio governo. A tecnologia da Butanvac, apresentada pelo Instituto Butantan como sendo 100% nacional, foi desenvolvida no ano passado por pesquisadores do Instituto Mount Sinai, de Nova York. Em nota posterior, o Butantan reconheceu que "firmou parceria e tem a licença de uso e exploração de parte da tecnologia, que foi desenvolvida pela Icahn School of Medicine do Hospital Mount Sinai de Nova Iorque, para obter o vírus". Na transmissão desta quinta-feira, 22, o presidente voltou a criticar medidas duras de isolamento social, recomendada por autoridades sanitárias para conter a disseminação do novo coronavírus. "Passou um ano e continuam fazendo lockdown como se fosse remédio para acabar com o vírus. Na verdade, está empobrecendo cada vez mais nossa população", disse. Ao falar sobre covid-19, o presidente defendeu, mais uma vez, o uso de medicamento sem eficácia comprovada contra a doença. "Por que não se pode falar em remédio, meu Deus do céu? Ano passado eu falei em remédio e fui massacrado. Eu tomei um negócio no ano passado (hidroxicloroquina). Se eu tiver problema de novo, vou tomar. Não faz mal", afirmou.

COVID-19

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou o boletim epidemiológico do coronavírus, com 1.041 casos, dois óbitos nesta quinta e 25 mortes que estavam em investigação e foram confirmadas. Em Sergipe, 194.312 pessoas já testaram positivo para a Covid-19 e 4.061 morreram. Até o momento,   180.067 pacientes foram curados. As 27 mortes foram: uma mulher, 65 anos, de Aracaju, com hipertensão e hipertensão; um homem, 73 anos, de Simão Dias, sem comorbidade; uma mulher, 51 anos, de Aracaju, sem comorbidade; um homem, 80 anos, de Aracaju, sem comorbidade; uma mulher, 50 anos, com hipertensão; uma mulher, 75 anos, de Estância, sem comorbidade; uma mulher, 36 anos, de Aracaju, com diabetes; um homem, 33 anos, de Aracaju, sem comorbidade; um homem, 67 anos, de Nossa Senhora da Glória, com hipertensão; um homem, 57 anos, de Nossa Senhora do Socorro, com hipertensão; um homem, 77 anos, de Nossa Senhora do Socorro, com hipertensão e diabetes; um homem, 60 anos, de Aracaju, sem comorbidade; uma mulher, 53 anos, de Aracaju, sem comorbidade; uma mulher, 61 anos, de Aracaju, com hipertensão e diabetes; um homem, 62 anos, de Areia Branca, com hipertensão e diabetes; uma mulher, 66 anos, de Japaratuba, com obesidade e cardiopatia; um homem, 77 anos, de Campo do Brito, com hipertensão e diabetes; um homem, 64 anos, de Aracaju, com hipertensão; um homem, 67 anos, de Aracaju, com hipertensão; uma mulher, 74 anos, de Nossa Senhora do Socorro, com hipertensão e diabetes; uma mulher, 67 anos, de Divina Pastora, com hipertensão e diabetes; um homem, 81 anos, de Aracaju, com hipertensão e doença neurológica crônica; um homem, 43 anos, de Aracaju, sem comorbidade; uma mulher, 34 anos, de Boquim, com doença renal crônica; uma mulher, 74 anos, de São Domingos, com hipertensão e cardiopatia; um homem, 64 anos, de Nossa Senhora do Socorro, com hipertensão; uma mulher, 76 anos, de Nossa Senhora do Socorro, com hipertensão diabetes e obesidade. Foram realizados 411.932 exames e 217.620 foram negativados. Estão internados 847 pacientes, sendo que no serviço público são 219 em leitos de UTI (adulto), cinco na UTI neonatal/ pediatria e 237 em leitos clínicos (enfermaria), totalizando 461. Já nos leitos do serviço privado estão internados 188 pessoas na UTI adulta, zero na UTI neonatal/ pediatria e 198 em leitos clínicos, totalizando 386. São investigados mais 16 óbitos. Ainda aguardam resultados 1.716 exames coletados. A Secretaria já distribuiu o total de 307.501 doses da primeira remessa  aos municípios, destas foram aplicadas 292.777. Referente à segunda dose, foram distribuídas 183.186, sendo aplicadas 128.604 doses.

TOQUE DE RECOLHER

O governador Belivaldo Chagas decidiu na tarde de ontem manter o toque de recolher e as demais medidas restritivas em Sergipe até o dia 28 de abril. A decisão foi tomada após reunião com o Comitê Técnico-Científico e de Atividades Especiais (Ctcae). Os municípios continuam com autonomia para estabelecer regras ainda mais rígidas, caso vejam necessidade. Com a decisão, continuam em vigor o toque de recolher das 22h até as 5h do dia seguinte, incluindo os finais de semana, devendo os estabelecimentos encerrarem suas atividades às 21h. Durante o toque de recolher, somente podem funcionar atividades especiais e os serviços de entrega em domicílio (“delivery”) de bares, restaurantes e estabelecimentos similares. Também está mantida a proibição do funcionamento de atividades não essenciais e especiais aos fins de semana (sábado e domingo), englobando todas as atividades e lojas, ainda que instaladas em supermercados ou outros estabelecimentos essenciais, bem como academias de ginásticas, de qualquer modalidade, além atividades físicas coletivas em geral. Bares, restaurantes e similares poderão funcionar de segunda a sexta até às 21h. Após esse horário, somente é permitido o delivery. Aos finais de semana, esses estabelecimentos ficam fechados ao público, mas podem funcionar serviço de retirada e delivery. No horário do toque de recolher, é permitido somente a entrega em domicílio. Continua proibida nos finais de semana (sábado e domingo) a circulação de pessoas e a realização de atividades econômicas nas praias, orlas fluviais, parques aquáticos e similares, parques e praças esportivas ou congêneres, bem como a prática de quaisquer atividades esportivas coletivas amadoras, sendo permitidas as práticas individuais, desde que não gerem aglomerações em todo o estado. O Governo do Estado reafirmou ainda que cada município continua com autonomia para estabelecer regras mais rígidas de funcionamento dos setores e do toque de recolher, de acordo com a própria realidade local.

AUXÍLIO EMERGENCIAL DE ARACAJU

Sancionada ontem pelo prefeito Edvaldo Nogueira, a Lei nº 5.381/2021 criou o Auxílio Municipal Emergencial (AME), um programa de caráter temporário e excepcional, da Prefeitura de Aracaju, que vai beneficiar cinco mil famílias de baixa renda com a concessão de R$600,00, pago em três parcelas de R$200,00, nos meses de maio, junho e julho. Com isso, a Secretaria Municipal da Assistência Social iniciará, na próxima segunda-feira, dia 26, o cadastramento das pessoas que compõem o público-alvo mas não estão inseridas no CadÚnico. Podem requerer o AME famílias em situação de pobreza e extrema pobreza, ambulantes, população em situação de rua, artistas, artesãos, trabalhadores de shows e eventos, além dos permissionários do transporte escolar. O benefício terá um cronograma para cadastros, por categoria: artesãos (dia 26); permissionários do Transporte Escolar (dia 27); ambulantes (dia 28); e artistas e trabalhadores de Shows e Eventos (dia 29). Segundo a secretária da Assistência Social, Simone Passos, diante do cruzamento de dados feitos pela equipe da Coordenadoria de Políticas de Transferência de Renda, constatou-se a possibilidade de novos cadastros diante do teto de cinco mil famílias estabelecido pela lei municipal. “É válido ressaltar que este novo momento será para novos cadastros e não para alterações cadastrais. Serão quatro dias de cadastros a serem realizados de forma presencial, na Central de Atendimento estruturada pela Secretaria. Essa é uma oportunidade para contribuirmos para a redução dos efeitos sociais e econômicos causados pela pandemia à nossa população”, destacou a secretária.

PRÉ REQUISITOS

São pré-requisitos do público-alvo para acessar o benefício estar cadastrado no CadÚnico, e não ser contemplado com nenhum outro programa de renda (a exemplo do Auxílio Emergencial do Governo Federal, ou o Bolsa Família). Só será permitido um beneficiário por família. De acordo com a diretora de Gestão Social da Habitação da Secretaria Municipal da Assistência Social, Rosária Rabelo, os cadastros para quem não está inserido no CadÚnico, serão feitos, presencialmente, na Central de Atendimentos estruturada na Fundat, no calçadão da rua João Pessoa, 127, Centro, das 9h às 15h, com a entrega de senhas por ordem de chegada. “Estamos estruturando uma Central Única de Atendimento seguindo todos os protocolos de segurança na prevenção da covid-19. Por isso, estamos com dias agendados e dividimos por categoria, para evitarmos aglomerações. Entendemos que realizar esse cadastro de forma presencial é uma maneira mais eficiente de sanar dúvidas, diante de tantos questionamentos que têm surgido em nossa pasta. Minha maior observação é que só se desloque até a Fundat e busque a senha para atendimento, quem realmente preencher aos requisitos informados”, pontuou a diretora. Para realizar o cadastro, é necessário apresentar carteira do órgão de classe ou a declaração do sindicato da classe; além dos demais documentos de identificação; certidão de casamento; comprovante de residência; documentos de identificação de todos os membros da família. A coordenadora de Políticas de Transferência de Renda da Assistência Social, Yolanda Oliveira, reforça a logística do atendimento para o cadastro. “Nossa Central de Atendimentos contará com dez cadastradores, os quais estarão aptos a esclarecer todas as informações sobre o Auxílio Municipal. Nossa equipe inclui também três supervisores responsáveis pela triagem da documentação, dois servidores responsáveis pela entrega e organização das senhas, além da coordenação geral. É importante registrar que o cadastro efetivado não é garantia de aprovação do benefício. Após o acesso ao CadÚnico, outras etapas de análises serão efetuadas para, então, a Prefeitura de Aracaju divulgar os nomes contemplados”, explicou.

CONDENADA

Por unanimidade, o Tribunal Regional do Estado de Sergipe (TRE/SE) reprovou a prestação de contas da candidata a deputada estadual Marleide Cristina dos Santos (MDB). Com a decisão, ela será obrigada a devolver R$ 468.922,23 (em valores corrigidos) que recebeu do Fundo Especial de Financiamento de Campanha. O julgamento acompanhou parecer do Ministério Público Eleitoral (MP Eleitoral), que demonstrou, por meio da investigação realizada pela Polícia Federal, várias falhas na prestação de contas e fortes evidências de uma candidatura fictícia. Nas eleições de 2018, a candidata Marleide dos Santos, filiada ao MDB, residente e eleitora do município de Lagarto, conseguiu arrecadar R$ 485.256,44. Desses, R$ 468.922,23 vieram do Fundo Especial de Financiamento de Campanha e R$ 16.334,21 de outras doações. Mesmo com tantos recursos disponíveis para a campanha, a candidata a deputada estadual só obteve 184 votos. O valor que o partido direcionou à candidatura de Marleide dos Santos foi o maior valor recebido por uma candidata do sexo feminino no estado de Sergipe. Chamou atenção o fato do MDB ter direcionado um valor tão elevado a uma candidata com evidente inviabilidade política, visto que em 2012, Marleide participou da disputa ao cargo de vereadora de Lagarto, mas só obteve oito votos. Outra desproporção identificada foi a diferença na destinação dos recursos entre outras candidatas a deputada estadual do sexo feminino do MDB. Enquanto Marleide dos Santos recebeu mais de R$ 400 mil, Auria Alves de Souza, Katiane Fortunato Pereira, Edna Martinez e Veronalda Andrade Gois receberam, respectivamente, R$ 40 mil, R$ 60 mil, R$ 30 mil e R$ 98 mil.

INVESTIGAÇÕES

De acordo com as investigações, na seção “Despesas” da prestação de contas, a candidata declarou gastos com posto de combustíveis, pessoas físicas e jurídicas. No entanto, ao se analisar os extratos bancários não foram encontradas as despesas então declaradas pela candidata. Também não foram localizadas notas fiscais que comprovassem os pagamentos dos postos de combustível. Mais um ponto que chamou atenção na prestação de contas foi a declaração de confecção de 1 milhão de santinhos por uma candidata que restringiu a campanha ao município de Lagarto, que possui apenas 72 mil eleitores. O Ministério Público Federal e a Polícia Federal identificaram nas investigações que a candidata não realizou campanha eleitoral. Segundo relatório da Polícia Federal, os indícios apontam que os recursos da candidatura de Marleide dos Santos foram dirigidos para financiar outras candidaturas ou foram apropriados por terceiros. As redes sociais da candidata também demonstram que ela não fez campanha para si. Não foi visualizado Marleide pedindo votos ou cumprimentando as pessoas, atitudes típicas de quem está disputando uma eleição. No entanto, as fotos e os vídeos encontrados nas redes sociais e nos telefones celulares apreendidos pela Polícia Federal indicam que ela fez campanha em prol dos candidatos Fabio Reis (deputado federal), Belivaldo Chagas (governador) e Jackson Barreto (senador). Contra estes, o MP Eleitoral vai encaminhar cópia dos autos para a Procuradoria-Geral Eleitoral para eventual ação penal, em virtude do foro privilegiado de alguns candidatos.

VÍDEOCONFERÊNCIA

Aconteceu na manhã de ontem, uma videoconferência entre o presidente da Federação dos Municípios do Estado de Sergipe (FAMES), Christiano Cavalcante, o governador do Estado, Belivaldo Chagas, a secretária de Estado da Saúde, Mércia Feitosa, prefeitos e secretários municipais de Saúde, com o objetivo de oportunizar um diálogo entre os governos municipal e estadual, além apresentar aos gestores o panorama da pandemia da covid-19, a cobertura vacinal e a projeção e avaliação epidemiológica do estado. Durante a reunião virtual foram apresentados dados atualizados sobre o número de casos da covid-19, índice de internações, número de óbitos e levantamento sobre a cobertura vacinal, que de acordo com a Secretaria da Saúde, 12,46% da população geral de Sergipe foram vacinadas com a primeira dose da vacina contra a covid-19 e apenas 5,25% dessa parcela foi imunizada com a segunda dose. A secretária de Estado da Saúde, Mércia Feitosa, sinalizou a redução do recebimento de vacinas e orientou aos gestores para que realizem a busca ativa nos municípios e ajustem as estratégias e ações para imunizar com a segunda dose a parcela de 16% de pessoas que já deveriam estar imunizadas, mas não compareceram aos postos de vacinação para a aplicação da segunda dose. “A gente recebe as vacinas de forma semanal, mas ainda não é um quantitativo suficiente que atenda a uma velocidade aceitável. Não estamos alcançando a cobertura que queríamos”, declarou Mércia Feitosa. A secretária acrescentou ainda que uma nova norma técnica será normatizada para todo o território de Sergipe, em relação ao intervalo de tempo entre a aplicação da primeira e a segunda dose, que indicará o intervalo entre 28 dias, antes recomendado o espaço entre 21 dias. O pesquisador e professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Lysandro Borges foi convidado para participar da videoconferência e contribuir com a explanação sobre a projeção e avaliação epidemiológica do estado. O pesquisador frisou que considerando a avaliação dos índices atuais, há uma tendência de crescimento na taxa de casos e óbitos.

APROVADOS

O pacote de medidas emergenciais de combate à crise em decorrência da pandemia do novo coronavírus virou lei. Nesta terça-feira, 20, os vereadores da Câmara Municipal de Aracaju (CMA) aprovaram os dois projetos de lei, encaminhados pelo Poder Executivo: o PL nº 71/2021, que trata da concessão de débitos aos contribuintes do imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana (IPTU) e o PL 74/2021, que cria o Programa de Auxílio Municipal Emergencial (AME). No período da manhã, na 32ª Sessão Ordinária, os parlamentares trabalharam na pauta do dia um projeto de lei e três requerimentos. Dos requerimentos apresentados estava o de nº 167/2021, de autoria do Professor Bittencourt (PCdoB), que pedia urgência na votação e apreciação do projeto de lei nº 71/2021. Após a aprovação das proposituras foram abertas as 16ª, 17ª, 18ª, 19ª e 20ª sessões extraordinárias para apreciação dos projetos de lei nº 71/2021 e 74/2021, ambos de autoria do Poder Executivo, em 1ª, 2ª, 3ª votação e redação final. Durante a 16ª sessão extraordinária foi apreciado e aprovado o requerimento 168/2021, que pede urgência na votação do PL nº 74/2021. De início, os parlamentares apreciaram o PL nº 71/2021, que trata sobre a concessão de débitos aos contribuintes do imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana (IPTU). Após aprovação do PL em 1ª discussão foram apresentadas, durante a 2ª votação, quatro emendas, de autoria da vereadora Emília Corrêa, sendo todas rejeitadas na Comissão de Justiça e Redação. A propositura foi aprovada também em 3ª votação e redação final e segue para sanção do Poder Executivo. O vereador Professor Bittencourt (PCdoB) explicou os benefícios do projeto em meio à pandemia: “Essa lei, que nós estamos aprovando agora, é para beneficiar aqueles que perderam o prazo, não solicitaram a isenção e os que foram prejudicados de alguma forma pela pandemia. A líder da oposição, Emília Corrêa (Patriota), elogiou o projeto, mas explicou que a iniciativa deveria ter chegado antes. “Esse benefício está na nossa Constituição e nós poderíamos ter feito antes. Aqui a gente só se entristece porque nós clamamos tanto, mas demorou muito para chegar. Esse projeto tem o mérito da Câmara de Aracaju, mas já está publicizado como se a Câmara não fosse participante, mas não tem problema, o importante é o feito”.

CANAL DE XINGÓ

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, vem a Sergipe, nesta sexta-feira (23) e, na sede da Codevasf, em Aracaju, assina a ordem de serviço para as obras do Canal de Xingó, que sequer havia projeto concluído e há anos não saiu do lugar. O ex-deputado federal José Carlos Machado (DEM), que acompanha o projeto para o Canal de Xingo, admite que deve haver algum engano nessa solenidade de Ordem de Serviços, alegando que “pelo que me consta, o projeto final de engenharia da primeira etapa do canal ainda não foi concluído e é possível que tenha sido contratado recentemente. Machado imagina que o ministro vai anunciar a contratação do projeto final de engenharia, prazo para conclusão do projeto e um prazo para a licitação das obras da primeira etapa: “Tomara que ocorra dentro do esperado e ouçamos do ministro que essas obras poderão começar ainda esse ano. O ex-deputado disse ainda que fica preocupado com tudo que se fala sobre o Projeto Xingó, “porque já participei de várias reuniões, muitas delas na associação dos engenheiros agrônomos e em todas elas se anunciava o início das obras do canal”, disse. Perguntaram-me qual a maior obra que o ex-governador João Alves Filho construiu em Sergipe. Respondi: uma concebida e pensada por ele e que lamentavelmente ele não viu começar : o Canal de Xingo, disse Machado e admitiu que “nada mais importante para o nosso desenvolvimento do que essa obra. Se concluída poderá transformar a realidade do semi árido sergipano”, disse. No projeto concebido pelo ex-governador. a captação era na barragem de Xingo, mas na execução da obra foram construídas duas captações: uma para atender o projeto Califórnia e outra pra atender o canal de Xingo. “João Alves lutou por essa ideia por muitos anos e ela não prosperou e chegou a ser abandonada depois da posse de Marcelo Déda”, disse. Segundo Machado, no projeto hoje a captação é em Paulo Afonso IV e corta os municípios de Paulo Afonso e Santa Brígida, na Bahia, e entra em Sergipe no município de Canindé do São Francisco: “Não adianta discutir qual a melhor alternativa,  agora é unir as bancadas de Sergipe e Bahia Bahia pra cobrarem agilidade no início das obras”. Machado vê uma pequena preocupação: a obra é muito mais importante para Sergipe do que para a Bahia? “É fundamental para Sergipe, além de transformar o nosso semiárido representaria uma segurança hídrica para os próximos 60 anos ou mais”, conclui.

VACINAS

Mais 31,2 mil doses de vacinas covid-19 estão sendo enviadas a Sergipe pelo Ministério da Saúde, nesta semana. O estado irá receber 25 mil de doses da vacina da AstraZeneca/Oxford, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e 6,2 mil doses da Coronavac, do Instituto Butantan – os dois imunizantes são produzidos no Brasil com matéria-prima importada. A população sergipana já recebeu, ao todo, mais de 527,2 mil de doses de vacinas covid-19. A divisão entre os estados e Distrito Federal é feita de forma proporcional e igualitária. Essa nova remessa enviada às Unidades Federativas (UF) nesta semana faz parte do lote com 3,5 milhões de doses de vacinas covid-19 recebidos pelo Ministério da Saúde. De acordo com o 12º informe técnico da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), as doses são destinadas para a vacinação de idosos entre 60 e 69 anos e agentes das forças de segurança e salvamento e Forças Armadas que atuam na linha de frente do combate à pandemia. Nesta leva, parte das vacinas é destinada para a primeira dose e a outra parcela para a segunda aplicação. O objetivo é garantir a cobertura do esquema vacinal no tempo recomendado de cada imunizante: quatro semanas para a vacina do Butantan e 12 semanas para as doses da Fiocruz. A estratégia de distribuição para aplicação da primeira e segunda doses é revisada semanalmente em reuniões tripartites (governos federal, estaduais e municipais), observando as confirmações do cronograma de entregas por parte dos laboratórios.

MACONHA EM MEDICAMENTOS

Ontem foi apresentado, em Comissão Especial da Câmara Federal, o parecer ao projeto de lei sobre medicamentos que contenham maconha em sua formulação. De autoria do deputado federal Fábio Mitidieri (PSD), a propositura autoriza a comercialização no Brasil de medicamentos que contenham extratos, substratos ou partes da planta Cannabis sativa, ou substâncias canabinoides em sua formulação. O deputado federal Luciano Ducci (PSB-PR), relator de referido projeto, deve recomendar a regularização do cultivo da planta no país para fins medicinais, veterinários, científicos e industriais. Pelo texto do projeto de Fábio Mitidieri, a comercialização ficará condicionada à comprovação da eficácia terapêutica da medicação, devidamente atestada mediante laudo médico para todos os casos de indicação de uso. “Algumas moléstias podem ser tratadas com sucesso, de modo mais eficaz e seguro, em relação a outras drogas que não apresentam respostas satisfatórias perante determinados casos clínicos”, afirma o deputado sergipano. Mitidieri menciona que a autoridade sanitária dos Estados Unidos – o Food and Drug Administration – já aprovou a utilização de canabinoides na formulação de medicamentos, como o dronabinol para o tratamento de efeitos colaterais apresentados no uso de quimioterápicos no combate ao câncer. Lei atual O texto altera a Lei Antidrogas, que hoje proíbe em todo o território nacional o plantio, a cultura, a colheita e a exploração de vegetais e substratos dos quais possam ser extraídas ou produzidas drogas, com exceção de plantas de uso estritamente ritualístico-religioso. Mas a lei atual permite que a União autorize o plantio, a cultura e a colheita desses vegetais e substratos exclusivamente para fins medicinais ou científicos.

RADIALISTA CANDIDATO

Avizinham-se as eleições de 2022, há anos que Estância, um dos maiores colégios eleitorais do Estado não elege um deputado estadual, que tenha domicílio neste município. O último deputado estadual foi o atual prefeito, Gilson Andrade, natural de Itabaiana, que deixou a Assembleia Legislativa para ser prefeito. Atualmente vários nomes que pretendem disputar a Assembleia Legislativa, circulam nas redes sociais como possíveis pré-candidatos, como o da ex-vice-prefeita, Adriana Leite, esposa do ex-prefeito Ivan Leite. Também citam nesse cenário de prováveis, o vereador Misael Dantas, atual presidente da Câmara de Vereadores (ele ainda não confirmou). Há quem cite também, o nome do atual vice-prefeito, André Graça. Mas há quem aposte em uma candidatura do ex-vice-prefeito, Filadelfo Alexandre (MDB), entre outros nomes. Mas a novidade se refere ao radialista Magno de Jesus, ex-conselheiro tutelar, bacharel em Direito, graduado em Letras Português, católico praticante (membro do MCC), membro da Academia Estanciana de Letras, cronista esportivo, agente cultural e membro-fundador do Clube dos Poetas Estancianos. O radialista Magno de Jesus é aliado do deputado federal, Fábio Henrique (PDT) e aposta que o partido apresente uma chapa completa para deputado estadual. O radialista não confirma sua pré-candidatura a deputado estadual, mas também, não descarta.  Magno de Jesus defende uma renovação política e acredita que Estância pode eleger dois deputados estaduais em 2022. Para o radialista, a cidade de Estância precisa voltar a ter voz e vez na Assembleia Legislativa. “Estância precisa e deve voltar a ser Estância. Não me conformo em ver um dos municípios sulistas mais importantes de Sergipe, esquecido na Assembleia Legislativa e consequentemente perdendo espaço para Itabaianinha e Tobias Barreto, que possuem deputados estaduais”, lembrou Magno. De acordo com Magno de Jesus, a região sul vem sofrendo com uma política tímida de geração de emprego e renda. “A cidade de Estância vem penando com o desemprego e nós, estancianos não temos nenhum deputado estadual para levantar essa bandeira em nosso favor”, lamentou. Magno de Jesus disse que Estância precisa do seu deputado estadual, também, para defender e cobrar dos governos estadual e federal melhorias para o patrimônio arquitetônico (nossos casarios e sobrados coloniais estão abandonados); para os músicos, apoio às bandas filarmônicas, escritores, poetas, cantores, compositores, artistas em geral. “Um deputado tem que está à disposição de todo o segmento da sociedade”, disse. O radialista informou que o momento é de pandemia, de mortes e de muita gente passando fome, não está para se pensar em pré-candidatura a deputado estadual, mas disse que está à disposição do presidente estadual do PDT, radialista Fábio Henrique.




Tópicos Recentes