14/10/2020 as 13:44

Afinal, sopa é janta?

Água na Boca

Gastronomia
Por Jefferson Santana
<?php echo $paginatitulo ?>

Do café da manhã ao jantar sempre vai ser levantada a discussão do famoso “Sopa não é janta”, em tempos onde as redes sociais são polarizadas é comum que as pessoas tomem partido de alguma coisa solta e passem a defendê-la com unhas e dentes. Hoje eu vou tomar parte da sopa e explicar como a famosa sopa é janta.

Antes de mais nada é preciso entender o que é uma refeição, já que a janta é a nossa “principal” refeição do período noturno. No dicionário é o ato ou efeito de restaurar as forças por meio dos alimentos. Com isto é possível afirmar que, para que um prato seja considerado uma refeição completa, é preciso que ele supra o máximo possível as necessidades nutricionais para restaurar as energia.

 

A refeição principal da noite vem sofrendo influência cultural de outros lugares em que utilizam alimentos mais rápidos, como os lanches e sanduíches, por exemplo. Mas não é dessa refeição com cara de preguiça de cozinhar ou da falta de tempo que impera hoje em dia que vamos focar.

A principal diferença entre a sopa e o caldo é que a sopa é mais consistente e tem pedaços de alimentos, enquanto o caldo é totalmente líquido. Eles possuem o mesmo valor nutricional de uma refeição se os ingredientes forem escolhidos corretamente e ainda possuem a vantagem de serem mais leves, além de trazer um conforto nos dias frios. Em muitos jantares, principalmente os inspiracionais da culinária francesa, muitas sopas e caldos são servidos como entrada, como uma forma de “saciar” e os próximos pratos tragam menos calorias e um tamanho menor.

Aqui pelo Nordeste a sopa de feijão é quase campeã de audiência, claro que pela facilidade e baixo custo na confecção, feita a partir da sobra do almoço, o que já é meio caminho andado para os “cozinheiros de plantão” e que também lembra aquela comidinha de vó. Uma janta nordestina, de respeito, famosa e cheia de sabor, pode incluir um prato de sopa acompanhado de torradas (ou pão francês) e um bom café com leite. Mas nem sempre é uma simples e leve sopa. De maneira similar, quem há de resistir a fazer uma sopa com aproveitamento das sobras daquele belo cozido de domingo.

 

Do ponto de vista afetivo que as sopas me cativam, pois têm a cara de conforto, de aconchego, de mãe, de família que cuida, de visita carinhosa. Muitas pessoas enxergam a sopa como “comida de hospital”, podemos entrar num consenso de que com tanto sabor e ingredientes maravilhosos é quase impossível uma boa sopa de tomate, feijão ou até um caldo de brocólis ser comparada a qualquer comida de hospital.

Os benefícios da sopa  vão além de aquecer o corpo em períodos frios, estes pratos são versáteis e podem ser feitos com inúmeros ingredientes, mas precisamos ter cuidado se formos focar nutricionalmente, é que quanto mais a gente liquidifica e cozinha por muito tempo esses alimentos, eles acabam perdendo um pouco mais de fibra, vitaminas e minerais por conta da água e da evaporação. Mas com os ingredientes certos e sem medo de ser feliz, ela é um booster pra saúde.

Com tanto apelo nutricional, sabor e com certeza um cheiro que vai preencher a cozinha é acertado dizer que a sopa é sim janta e é sempre um bom momento para reunir a família e aquecer os corações. Seja uma sopa mais forte de feijão ou até uma sopa de abóbora. Usem a sopa a seu favor e seja feliz, quando alguém afirmar que sopa não é janta, lembre de oferecer um bom prato da sua sopa preferida, vai que a pessoa muda de opinião.

 

Receita

 

Caldo de tomate

 

4 tomates sem pele e sem semente
1/2 cebola
1 dente de alho
2 xícaras de água ou caldo de legumes/galinha
1 colher de sopa de molho inglês
1 colher de chá de molho de pimenta (opcional)
1 ramo de manjericão e/ou salsinha frescos
3 colheres de sopa de creme de leite, de creme de arroz ou de iogurte natural não adoçado
Azeite, sal e pimenta do reino a vontade

Modo de Preparo

Aqueça um fio de azeite e refogue a cebola e o alho picados grosseiramente. Quando começarem a dourar, coloque os tomates em pedaços e mexa bem. Adicione a água/caldo, o molho inglês, o molho de pimenta, se for usar, e o manjericão/salsa, prove e tempere com sal e pimenta do reino. Deixe ferver por 5 a 8 minutos, até que os tomates estejam bem macios. Desligue o fogo e deixe esfriar um pouco.

Bata tudo no liquidificador (por via das dúvidas, deixe uma fresta para que o calor não faça o liquidificador explodir) até ficar bem homogêneo. Se quiser, passe por uma peneira para eliminar possíveis pedaços maiores.

Retorne à panela e deixe cozinhar em fogo baixo por mais 5 minutos, sempre mexendo. Desligue o fogo e acrescente o creme de leite/iogurte. Misture bem até ficar homogêneo e sirva em seguida. Enfeite com ervas frescas ou brotos e acompanhe de torradinhas.

 

Por Jefferson Santana
jeffersonsntana@gmail.com




Tópicos Recentes