AUTO E CIA

13/01/2022 as 17:38

Bugatti Veyron: manter o hiperesportivo também é para poucos


Foto: Divulgação<?php echo $paginatitulo ?>

O Bugatti Veyron é uma super máquina não só em preço astronômico, mas também em custos de manutenção exageradamente altos.

Quando novo, um Bugatti Veyron custava em torno de US$ 2 milhões, mas isso lá fora.

Mesmo nos usados, os preços não caem assim tão facilmente, variando de US$ 1,5 milhão a US$ 1,9 milhão. Então, se ele é um bólido realmente para poucos, sua manutenção também não fica atrás.

Ter um Bugatti Veyron custa quase o mesmo de ter um bom avião na garagem. Aliás, ele “voa” também, mas sobre o asfalto.

Com um propulsor W16 de óbvios 16 cilindros, contando ainda com 64 válvulas e 8 litros de volume, o Veyron entrega de 1.001 a 1.200 cavalos e alcança 100 km/h em 2,4 segundos.

Chegando a 408 km/h, o hiperesportivo exige um plano de manutenção de aviação, com custo anual que pode chegar a US$ 102.000, dependendo da rotina que o dono tem com o super carro.

Para se ter uma ideia, devido ao estresse elevado de se andar em alta velocidade, a Bugatti recomenda trocar os pneus a cada 4.000 km ou 2 anos e eles são o melhor que a Michelin tem para a missão, ou seja, o Pilot Sport Cup 2.

O jogo custa US$ 38.000. Contudo, a conta sobe para US$ 70.000. O motivo? É que para montar os pneus nas rodas com segurança, é necessário enviá-los para a Bugatti.

Para um carro que alcança mais de 400 km/h, levar no auto center da esquina não é a melhor ideia. Isso apenas para lembrar que as rodas aro 21 polegadas do Veyron precisam ser trocadas a cada 12.000 km.

Isso mesmo, elas não suportam as altas tensões durante a condução em velocidade extrema por muito tempo e precisam ser substituídas. O jogo custa US$ 50.000.

Se apenas o material rodante fosse o custo do Veyron, muitos estariam felizes, mas não. Após 16.000 km, é preciso substituir os 16 litros de óleo Castrol Edge 10W60 com titânio líquido.

Não fica apenas nisso não. A Bugatti recomenda a troca de todos os fluidos do super carro e isso inclui 55 litros de líquido de arrefecimento do motor e dos intercoolers, chegando a um custo total de US$ 21.000.

Em caso de quebra de um dos quatro turbos, cada um custa US$ 6.400, mais a mão de obra de US$ 4.500.

Estranho, contudo, é o custo de um dos quatro comandos de válvulas, que sai por apenas US$ 800. Talvez o semelhante de seu carro custa o mesmo ou até mais…

Outros valores? Os tanques de combustível custam US$ 42.000 com a mão de obra, enquanto a caixa de dupla embreagem de sete marchas necessita de US$ 120.000 para ser substituída.

No final, você perceberá que um seguro, em média de US$ 3.800, é uma pechincha para um Veyron e que muitas peças custam proporcionalmente ao valor venal, muito menos que semelhantes do carro em sua garagem

 

Fonte: Noticias Automotivas


Colunistas


Tópicos Recentes